Asset focada em fundos líquidos com sede em Minas Gerais será alternativa de investimentos para os clientes do BS2

O Banco BS2 anuncia a compra de 30% da gestora de recursos independente Butiá Investimentos. O acordo comtemplou ainda um aporte de R$ 100 milhões nas carteiras sob gestão da asset. Com apenas quatro anos de existência, a Butiá já é responsável pela gestão de uma carteira de R$ 500 milhões, mais de 1,6 mil cotistas ativos e uma equipe de 15 profissionais especializados na gestão de fundos de ações, multimercado, renda fixa, crédito e previdência privada. Essa parceria busca complementar a oferta de produtos de investimentos do BS2, que já tem a BS2 Asset focada na alocação de recursos e fundos estruturados. A participação do BS2 na Butiá pode alcançar os 49,9% até 2024.

Na avaliação da diretora-executiva do BS2, Juliana Pentagna Guimarães, a parceria é mais um passo na expansão e no desenvolvimento da plataforma do BS2. “Queremos oferecer aos nossos clientes as melhores e mais estratégicas opções de investimento do mercado, com a melhor rentabilidade. Identificamos na Butiá propósitos parecidos com os nossos e, portanto, essa associação foi um processo natural”.

O fundador e presidente da Butiá, Rodrigo Dias, vê essa negociação como uma valiosa oportunidade de criação de valor para os investidores. Rodrigo está no mercado há 20 anos com atuação destacada nas áreas de Asset e Wealth Management. Em 2015 decidiu seguir carreira solo e fundou a Butiá Investimentos, asset bastante conhecida pelo sucesso de seu fundo de investimentos de crédito privado com histórico bastante positivo desde 2016.

O BS2 valida o trabalho que vem sendo realizado desde o início da gestora e tem convicção que esse movimento estratégico irá potencializar o crescimento da Butiá. “O Banco BS2 é uma referência no setor financeiro com seus mais de 25 anos de atividade e tem como característica buscar constantemente inovações. Temos objetivos e valores semelhantes, crescer com qualidade. Devemos aumentar a equipe de 15 para 20 profissionais até o fim deste ano, para atingir um patrimônio de R$ 1 bilhão no período de um ano”, afirma Rodrigo Dias.

A efetivação da parceria está sujeita a aprovação do Banco Central.

Compartilhar