financiamentoO empreendedor que precisa de linhas de créditos para investir no próprio negócio teve a oportunidade de conversar nesta quinta-feira (18), com representantes de oito bancos durante a Rodada de Negócios em Macapá. O evento aconteceu no Sebrae, com a finalidade de proporcionar um encontro entre empresário e instituições bancárias, entidades financeiras e investidores.

De acordo com o presidente da Fecomercio no Amapá, Eliezir Viterbino, a ideia do evento surgiu com a necessidade de recursos para a viabilização de projetos de empresários. Ele explica que os resultados podem gerar oportunidades de emprego e alavancar a economia amapaense.

“A nossa proposta principal é proporcionar esse encontro entre os empresários que precisam de linhas de créditos e os bancos que disponibilizam recursos para serem investidos em projetos. Vão de capital de giro, equipamentos, estrutura física, folha de pagamento, entre outros. Só se geram emprego e renda, se houverem negócios”, ressaltou Viterbino.

No mercado há um ano, o empresário Diego Vaz conta que foi em busca de investimento para expandir a certificadora digital que administra. Para o empreendedor, a rodada proporcionou uma oportunidade de levar uma extensão da empresa para os municípios no interior do estado.

“Eu vim em busca de expandir o meu negócio, proporcionando um maior conforto aos meus clientes, ter um ambiente mais agradável e contratar mais colaboradores. Quero também levar minha empresa para os interiores, para que o cliente não precise se deslocar de cidades distantes para fazer um certificado, como é o caso dos meus clientes de Laranjal do Jari”, disse Vaz.

O presidente do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) no Amapá, Alcino Pereira, disse que os bancos possuem linhas de créditos que não são acessadas por falta de projetos viáveis de empresários. Ele reforça que o interessado deve ter orientações para elaborar os projetos, conhecendo a possibilidade de pagamento.

“O empresário apresenta sua necessidade, a linha de capital que ele precisa. Com base nas informações financeiras, o banco calcula a capacidade de pagamento e o limite de crédito que o empreendedor pode tomar. É importante a empresa ter muito claro qual projeto ela quer implantar, se o capital é de curto ou médio prazo, ou investimento a longo prazo. Todo projeto para ser aprovado precisa da viabilidade técnica, ou seja, a empresa tem que apresentar capacidade de pagamento”, finalizou Pereira.

Fonte: G1

Compartilhar