ocdeA Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) se mostrou menos pessimista sobre a recessão no Brasil e prevê uma queda do PIB de 3,3% em 2016. A estimativa anterior, anunciada em junho, era de um recuo de 4,3%. Para 2017, a organização projeta uma queda de 0,3%

Já o PIB mundial crescerá 2,9% em 2016, 0,1% a menos que nas previsões de junho, de acordo com a OCDE, que considera que a economia “permanece atrelada a um crescimento frágil”.

“A forte redução do comércio mundial ressalta as preocupações sobre a solidez da economia e as dificuldades para sair desta armadilha do crescimento frágil”, afirmou a economista chefe da OCDE, Catherine L. Mann.

Na maioria das economias desenvolvidas o crescimento continuará sendo frágil.

Este é o caso dos Estados Unidos, onde a OCDE prevê um crescimento de 1,4% este ano e de 2,1% em 2017. Na Eurozona o avanço será de 1,5% em 2016 e 1,4% em 2017.

Na China, cuja desaceleração econômica pode ter consequências a nível global, a organização mantém as previsões de junho (6,5% em 2016 e de 6,2% em 2017).

Para enfrentar o crescimento fraco, a OCDE voltou a pedir aos governos que aproveitem as taxas de juros reduzidas para aumentar o gasto público.

“As baixas taxas de juros oferecem aos governos mais espaço fiscal para investir em capital humano e infraestruturas”, indica a organização.

Previsões alinhadas
A previsão é similar a dos economistas do mercado financeiro brasileiro. De acordo com a pesquisa Focus, do Banco Central, mais recente, o PIB deve encerrar 2016 com um encolhimento de 3,15%.

Com a previsão de um novo “encolhimento” do PIB neste ano, essa também será a primeira vez que o país registra dois anos seguidos de queda no nível de atividade da economia – a série histórica oficial, do IBGE, tem início em 1948. No ano passado, o recuo foi de 3,8%, o maior em 25 anos.

Para o comportamento do Produto Interno Bruto em 2017, os economistas das instituições financeiras elevaram sua previsão de uma alta de 1,30% para um crescimento de 1,36%, informou o BC.

Em julho, o Fundo Monetário Internacional (FMI) melhorou pela primeira vez – após cinco revisões para baixo – sua projeção para o PIB do país este ano. A expectativa agora é que a economia brasileira também “encolha” 3,3% em 2016 – ante uma queda de 3,8% estimada em abril.

Para 2017, o FMI agora prevê que a economia brasileira voltará a crescer. O órgão estima um avanço de 0,5% no PIB, contra uma projeção de crescimento nulo feita nos dois últimos levantamentos do órgão.

Fonte: G1

Compartilhar